Sexta-feira, 14 de Abril de 2006

Devias sentir o que eu sinto...

Queres palavras para definir o teu sentir... tenho palavras não tenho o teu sentir...

Tenho o desespero de querer possuir a tua alma e ser quem tu és, sentir como tu sentes. Quero ser o teu corpo penetrado pelo meu corpo, a tua boca beijada pela minha boca e a tua pele tocada pelos meus dedos.

Tu devias ser o meu corpo... Tu devias sentir o que sinto...

Devias sentir o meu ser no espírito e na carne, na dor e no prazer, na posse e na entrega.

Devias sentir o que sou quando te dispo febril e a minha boca percorre o teu corpo no momento em que ele se revela, quando te agarro o peito e deixo que as minhas mãos se encontrem no teu gemido, quando te molho os bicos para aliviar a dor e os puxo para que a dor seja ainda maior.

Devias sentir o que sinto quando sei que te dói; a dor faz-te forte e faz com que me possuas (e ao ser teu, dói-me como te dói a ti - faz-me forte - e ao doer-me, faz com que te possua); a dor constrói um mundo em que não há corpo, em que não há tempo... a dor é pura e infinita... como a alma.

Devias sentir o que sinto quando estou no meio de ti e sinto como puxas para que esteja ainda mais fundo; o teu fundo é quente, molhado, envolve-me e sinto-o a agarrar-me com mais força do que a tua mão me agarra quando a faço eu agarrar por ti.

Devias sentir o que sinto quando do devagar passo à força com que o meu peso choca nas tuas coxas, no teu ventre, no teu peito...

No momento em que fazes de mim a besta que já não é humana e já não quer tua alma (quer o teu corpo ... e quer esmagá-lo), no momento em que os meus olhos vêem branco baço e que só importam os gritos que soltas e o rasgar dos sentidos, no momento em que o arranque do calor nasce no meu fundo, sobe e se espalha até nada ser real excepto as luzes no olhar e o jorro do meu ser, nesse momento devias sentir o que eu sinto...

...aí eras eu... aí já tinhas palavras.

Raphael


Encontrei este texto passeando pelo mundo da Internet... Fiquei presa em suas palavras... Descobri que existe, afinal, palavras que mostram o sentir... Alguém com nome de anjo, soube fazê-lo... Achei lindo e resolvi partilhar o texto com quem passa por aqui... Espero que tenha o mesmo impacto em vocês...


Escrito da alma: Madalena às 14:02
| Comenta aqui
4 comentários:
De Anónimo a 14 de Abril de 2006 às 16:24
Madalena a entrega do corpo em busca da magia dos sentidos é uma descoberta.Cada pessoa que amamos é uma emoção diferente e um estímulo renovado para os sentidos. Fazer amor, a entrega, isso por si só não é amor, mas é uma forma sublime de doar-se ao outro. Cada pessoa é unica nesse acto de entrega, não se encontram duas pessoas que o façam da mesma maneira e na descoberta do corpo e do prazer de quem amamos, nos doamos em amor. A entrega de dois corpos sedentos de desejo sela um amor que se solidificou quando duas almas se conheceram e se tocaram. O texto é lindo, escrito por alguém com nome de anjo e que entendia de emoções como ninguém. Beijos Madalena e obrigado pelo texto lindo que partilhaste connosco.Gonçalo
</a>
(mailto:gcausasdelei@msn.com)


De AC a 18 de Abril de 2006 às 21:44
Olá Madalena,
As visitas que fazes aos desgovernados e vice-versa deixam-me curioso. Parece sermos pessoas tão diferentes, tu sentimental, doce, melancólica, eu, curto e grosso, com blogs tão diferentes quanto aos temas..., algo me diz que os teus textos são apenas uma parte da tua personalidade.
Mas, gosto imenso das tuas visitas e dos teus comentários que, talvez por simpatia, têm o mesmo tom dos meus textos; curtos e grossos.
Beijos e aparece!
A Páscoa foi doce? Muitas prendas no sapatinho? Àh..., isso é no Natal!


De aminhoca a 19 de Abril de 2006 às 17:48
Com que então não era um fio de cabelo a percorrer o teu corpo? Não era um sonho a elevar-te? Nao eram recordações? Não era o Castor a incomodar-te de noite???? Afinal, afinal, era a minhoca? ;-)

(este meu novo blogue pretende falar de coisas sérias com algm humor. Vamos ver se chego para as encomendas e se o tempo chega para mim).

O que é preciso é reflectir um pouco, mergulhar na matéria e tirar as devidas ilações...hoin, hoin, hoin!!!!



De C. a 24 de Abril de 2006 às 14:14
Partilho da tua descoberta e do teu encantamento... Eu não diria melhor ;-) Beijo-te as mãos


Comentar post