Sábado, 25 de Fevereiro de 2006

...

raio.jpg


Hoje, e pela primeira vez, não vou escrever pedacinho de alma, sonhos… nem sequer vou inventar um instante de magia como tantas vezes o fiz, ao colocar em palavras sentidos e emoções…


Hoje, não vou escrever palavras que serão de amor ou carinho e espero, digo bem espero, que elas não sejam ditas ao vento, mas sim há quem são dirigidas, e que as ouçam e entendam!!


Meus textos falam de muitas coisas, mas acima de tudo de sentimentos. Nunca, em nenhum deles, irão encontrar uma palavra mais “azeda” que a outra ou que seja sequer, interpretada como ofensa. Sempre usei palavras doces, ternas e com elas sempre tentei transmitir uma certa paz, não só a quem me lê mas para mim também.


Assim, a ti Gonçalo, peço que não voltes a colocar comentários como aqueles que aqui colocastes. Sei, que uma vez que publico meus textos para toda a gente ler e tenho os comentários em aberto para quem quiser soltar sua opinião, devo me sujeitar e aceitar o que tem para me dizer. Mas não é esse o caso!! Já li em outros blogs, tua opinião e sempre usastes de palavras bonitas. Sempre me encantastes com teu jeito doce de dizer o que pensavas. Espero que o faças aqui também ou então que te abstenhas de o fazer. Nunca fui de alimentar guerrinhas em minha vida, quanto mais por aqui…


A ti C., sentes minhas palavras como ninguém e colocas aqui o teu sentir… Tuas palavras por vezes são muito fortes, tanto que despertam emoções e sentidos. Provocas muitos outros comentários que não são colocados aqui mas que me são transmitidos por e-mail… Já despertastes ciúme, inveja mas também amor! Espero um dia poder falar-te disso sem que seja por aqui…


Espero sinceramente, que acabem com as “agressões” e que se entendam ou então que procurem outro campo de batalha…


Um beijo aos dois!


Escrito da alma: Madalena às 09:57
| Comenta aqui
4 comentários:
De Anónimo a 28 de Fevereiro de 2006 às 17:55
Oh!... E então não te referiste ao Castor... oh... Nunca, nunca mais te segredo ao ouvido quando estiveres a dormir, vais ver... nem te acordo mais nenhuma vez, bem feita! É só Gonçalos e Cês e não sei mais quem... agora Castor, nicles batatóides... Vou-me embora e é já! Nem sei se deva deixar um CHUAC! Ingrata é o que tu és Ma-da-le-na..., ehe,ehe,ehe... Ah! e se te quiseres penitenciar, só aceito mail para este: diquedocastor01@sapo.pt! O outro, o sapo comeu-o.CASTOR
(http://diquedocastor.blogs.sapo.pt)
(mailto:diquedocastor@sapo.pt)


De Anónimo a 27 de Fevereiro de 2006 às 15:08
olá Madalena, tdo bem??

Adorei ler o teu ultimo comentário e estou surpreso confesso, pois as palavras k nele escreveste para mim tiveram significado um dia e não por minha vontade, mas por ti deixei de existir!!!
espero k um dia tenhas o avontade de pegar nas palavras e a mim dirigi-las cm em outros tempos, ainda k não pelo mesmo motivo, ao menos k possas fazer kom ke pare esta amargura dentro de mim!!
Beijo fofo e com mto amor, deste teu admiradorBruno
</a>
(mailto:b.p.6979@iol.pt)


De Anónimo a 27 de Fevereiro de 2006 às 10:13
"os cães ladram e a caravana passa..." BEIJO-TEC.
</a>
(mailto:c@mailbox.com)


De Anónimo a 25 de Fevereiro de 2006 às 13:08
Madalena peço desculpa pela minha maneira agressiva de escrever e ainda para mais no teu blog que só fala de amor, carinho, ternura. Não faz o meu género escrever assim e muito menos ser agressivo com quem quer que seja. Existem muitas coisas que me levaram a isso, mas realmente não é aqui que eu deveria falar disso. Volto de novo a apresentar-te o meu sincero pedido de desculpas. Quem escreve como tu o fazes, com o coração, merece comentários à altura, escritos com alma e carinho. Tu és uma pessoa especial, daquelas que eu pensava que já não existiam, ou até que nunca tinham existido. Tenho que te agradecer as palavras de apoio, as vezes em que uma palavra tua me enxugou uma lágrima, ou as vezes em que uma palavra tua a fez nascer, não por desespero ou dor, mas porque soubeste tocar-me e esse choro foi o rebentar de um dique de angustia que me sufocava. O meu obrigado pelas frases que me dizes, onde vêm tantas verdades que me inundam o coração e a alma, ajudando-me a atravessar uma das piores fases que já passei na vida. Obrigado pelos teus pedacinhos de alma, que insististe em partilhar comigo e que se tornaram um amparo e uma fonte de paz. Obrigado por existires, por seres como és, e por me teres escolhido para amigo, sem que talvez eu o mereça. Obrigado por tudo Madalena, o meu sincero respeito por ti, a minha eterna gratidão e um beijo com amizade. E de novo o meu pedido de perdão pelos comentários anteriores. BeijoGonçalo
</a>
(mailto:gacausasdelei@msn.com)


Comentar post