Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2007

Houve... há dias!!

 

 

 

 

s Houve dias em minha vida, que foram dias de sorrisos e que por uma magia qualquer, se gravaram na alma, no pensamento e em cada sonho que me visita nas noites escuras…

 

Houve dias em minha vida, que foram gestos sentidos, não só no leve toque dos lábios que se beijam, das mãos que acarinham mas também na doçura de um olhar que se prendeu no infinito…

 

Houve dias…e houve vida!

 

Houve dias em minha vida, em que cada pensamento tinha um nome para chamar, um murmúrio de saudade, um eco que respondia ao apelo dos sentidos e uma ausência para gritar…

 

Houve dias em minha vida, em que cada lágrima tinha um sentido bonito, uma dor gostosa, uma lembrança de momentos e de instantes que ainda hoje permanecem no coração…

 

Houve dias…e houve vida!

 

Há dias em minha vida, em que cada olhar se perde no horizonte de um mar, numa espera infinita de algo que não volta, de um passado que se foi e que não se esquece, mas que se espera como futuro…

 

Há dias em minha vida, em que o sorriso não é mais que o esconderijo sentido, de uma lágrima que teima em cair no silêncio de uma saudade, que o mar dos sentidos teima em salgar …

 

Há dias… e não há vida!

 

Há dias em minha vida, em que o pensamento voa, pelos caminhos traçados nas rotas onde o coração se prendeu, e como uma gaivota cansada, se deixa afogar nas ondas das sensações perdidas….

 

Há dias em minha vida, em que a solidão não é mais que um coração que bate por algo que ficou preso no tempo e em que a alma chora tudo aquilo que foi, não foi e poderia ter sido…

 

Há dias… houve dias…não há vida…mas houve vida!!

 


Escrito da alma: Madalena às 09:21
| Comenta aqui | ver comentários (7)
Sábado, 20 de Janeiro de 2007

E como me fazes falta!!

Como uma doce brisa que sopra num dia de verão, acaricias minha alma nesta saudade infinita que sinto. Levas meu pensamento para momentos que não se esquecem, instantes que perduram no tempo e que se fizeram magia…

 

Como as folhas caídas deste meu Outono, que giram ao sabor do vento, pintando a

vida de cores quentes, cada lembrança tua, baila ao ritmo do coração que ainda bate por ti, rodopiando, numa valsa sem fim, as imagens e os sons do carinho partilhado… enchendo de cor esta minha solidão…

 

Como um raio de sol que nasce pela manhã para alegrar o dia que se anuncia cinzento, tuas palavras ecoam em meus ouvidos e aquecem a dor que me deixaste. Cada sentido que despertou, ao som dos poemas tocados nas palavras ditas muitas vezes em silêncio, acorda de novo na falta que me fazes…

 

Cada sorriso contem um pouco do teu e cada lágrima guarda o sabor de teu beijo. Estás aqui, no pensamento que te traz até mim, no coração que bate descompassado, nos sentidos que te inventam em mim e na alma que se entregou e se perdeu para se reencontrar em ti…

 

Cada segundo, não é mais que um segundo sem ti… E como me fazes falta!!!

 

 


Escrito da alma: Madalena às 14:57
| Comenta aqui | ver comentários (11)
Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

Dá-me tua mão...

Dá-me tua mão… Vem comigo, deixa-te levar para meu sonho.

Vem devagarinho, sem pressa… descobre nas pontas de teus dedos os segredos que guarda minha alma. Deixa que as palavras sejam ditas no sopro de tua respiração, no aroma de tua pele… Fala nos teus gestos, aquilo que sentes, aquilo que queres e desejas. Desvende meus segredos, vela minhas noites e guia-me nos caminhos da entrega…

 

Dá-me tua mão… Deixa-te prender no abraço de meu corpo. Nos braços que te envolvem no carrinho de um sentimento tão bonito. Sente nos lábios o sabor de um beijo doce… a carícia suave da língua que te fala em silêncio do desejo. Nas bocas que se unem, nos sabores que se misturem… Beija… Beija mais uma e outra vez… e outra vez … infinitamente!

 

Dá-me tua mão…Procura nas curvas que segues com as mãos, os prazeres que provocas, as sensações que despertam…Prende teu olhar no gemido que se faz sentir no olhar. Escuta o silencio que os sentidos gritam… as palavras que ecoam nas batidas ritmadas do coração. Prova o sabor da pele que se arrepia, da boca que beija, do corpo que se faz teu...

 

Dá-me tua mão… Soltas as amarras da realidade, entra no sonho onde te invento a cada sorriso, em cada sentido… em todas as sensações que provocas. Vem comigo para este mundo que não é mais que o meu sentir…

 

Dá-me tua mão… e vem… vem simplesmente amar!

 


Escrito da alma: Madalena às 15:37
| Comenta aqui | ver comentários (10)

.Meu selo...


fg.jpg


.Meu outro blog


Image Hosted by ImageShack.us

.Outro Blog Meu


Image Hosted by picoodle.com

.posts recentes

. Uma outra vida...

. Minha despedida...

. Sou Outono...

. A oitava maravilha do "no...

. Liberta-me, mas...fica...

. Todas as dores...

. Paz é tudo o que peço...

. Lamento...

. Vives em minha saudade...

. Sou o que sou...

. Chuva...

. Eu...

. Lagrimas...

. Em tuas mãos...

. Mãe...

. Beija-me...

. É teu...

. Asas de sentimento...

. Desisto...

. Beijo-te suavemente...

.arquivos

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.Meu contador de visitas...