Segunda-feira, 24 de Abril de 2006

Espero por ti...

O dia amanheceu devagarinho, chegando de mansinho para afastar os sonhos que a noite embalou. Entrou pela janela e iluminou o quarto com um bom dia radioso. Está na hora de deixar mais uma vez a ilusão de teus abraço…

 

Visto-me de tua ausência e faço do teu silêncio , minha voz… Começa assim mais um dia de uma vida que se faz vida sem ti.

O dia está lindo e mesmo sem te ver, eu sei que estás e sei que me farás um sinal, nem que seja para me dizeres que vives… em algum lugar deste fim do mundo!

 

Descubro-te no calor do sol que, com um raio mais atrevido, brinca na minha pele deixando-a quente… na carícia suave de tua mão. Encontro-te no reflexo dos olhares que se cruzam com o meu, no sorriso que nasce no rosto de desconhecidos mas que eu sei que é teu…

 

O dia está lindo sim, porque estás comigo, preso em mim, na alma que se faz tua, no pensamento que te inventa a cada instante, no coração que bate por ti… E sei, que me vais encontrar, porque chamo por ti…espero por ti!!

 

E quando o dia finalmente chegar ao fim, eu sei que de novo estarás comigo, preso em meu sonho. Quando o sol dá lugar a suave luz do luar, cada estrela se torna parte de nós e no infinito deste amor, somos apenas um!


Escrito da alma: Madalena às 08:57
| Comenta aqui | ver comentários (10)
Sexta-feira, 14 de Abril de 2006

Devias sentir o que eu sinto...

Queres palavras para definir o teu sentir... tenho palavras não tenho o teu sentir...

Tenho o desespero de querer possuir a tua alma e ser quem tu és, sentir como tu sentes. Quero ser o teu corpo penetrado pelo meu corpo, a tua boca beijada pela minha boca e a tua pele tocada pelos meus dedos.

Tu devias ser o meu corpo... Tu devias sentir o que sinto...

Devias sentir o meu ser no espírito e na carne, na dor e no prazer, na posse e na entrega.

Devias sentir o que sou quando te dispo febril e a minha boca percorre o teu corpo no momento em que ele se revela, quando te agarro o peito e deixo que as minhas mãos se encontrem no teu gemido, quando te molho os bicos para aliviar a dor e os puxo para que a dor seja ainda maior.

Devias sentir o que sinto quando sei que te dói; a dor faz-te forte e faz com que me possuas (e ao ser teu, dói-me como te dói a ti - faz-me forte - e ao doer-me, faz com que te possua); a dor constrói um mundo em que não há corpo, em que não há tempo... a dor é pura e infinita... como a alma.

Devias sentir o que sinto quando estou no meio de ti e sinto como puxas para que esteja ainda mais fundo; o teu fundo é quente, molhado, envolve-me e sinto-o a agarrar-me com mais força do que a tua mão me agarra quando a faço eu agarrar por ti.

Devias sentir o que sinto quando do devagar passo à força com que o meu peso choca nas tuas coxas, no teu ventre, no teu peito...

No momento em que fazes de mim a besta que já não é humana e já não quer tua alma (quer o teu corpo ... e quer esmagá-lo), no momento em que os meus olhos vêem branco baço e que só importam os gritos que soltas e o rasgar dos sentidos, no momento em que o arranque do calor nasce no meu fundo, sobe e se espalha até nada ser real excepto as luzes no olhar e o jorro do meu ser, nesse momento devias sentir o que eu sinto...

...aí eras eu... aí já tinhas palavras.

Raphael


Encontrei este texto passeando pelo mundo da Internet... Fiquei presa em suas palavras... Descobri que existe, afinal, palavras que mostram o sentir... Alguém com nome de anjo, soube fazê-lo... Achei lindo e resolvi partilhar o texto com quem passa por aqui... Espero que tenha o mesmo impacto em vocês...


Escrito da alma: Madalena às 14:02
| Comenta aqui | ver comentários (4)
Quarta-feira, 12 de Abril de 2006

Tu sabes...

bluepoppy.jpg 


Procurei um poema que pudesse transmitir o sentimento que prende meu coração. Encontrei muitos que falam da mesma emoção mas nenhum tinha o teu sentido…


Li imensos textos, descobrindo em cada um deles, palavras de ternura que poderiam enfeitiçar minha alma. Mas nenhum deles usava a tua magia…


Descobri mil imagens sugestivas de um amor calmo e sereno, cheias de luz e cores.
Mas tornam-se cinzentas e opacas diante o brilho do teu olhar…


Desisti de procurar algo para escrever, que pudesse de alguma forma falar-me de ti. Não há palavra que tenha a tua carícia, imagem que tenha o pincelar de teus dedos em minha alma…


Não há poesia como o toque suave de um beijo teu nem melodia mais bela que o bater de teu coração…


Como nada encontrei, deixei minha alma sentir… e tu sabes o que ela sente… e nada mais preciso escrever!!


Escrito da alma: Madalena às 08:09
| Comenta aqui | ver comentários (4)

.Meu selo...


fg.jpg


.Meu outro blog


Image Hosted by ImageShack.us

.Outro Blog Meu


Image Hosted by picoodle.com

.posts recentes

. Uma outra vida...

. Minha despedida...

. Sou Outono...

. A oitava maravilha do "no...

. Liberta-me, mas...fica...

. Todas as dores...

. Paz é tudo o que peço...

. Lamento...

. Vives em minha saudade...

. Sou o que sou...

. Chuva...

. Eu...

. Lagrimas...

. Em tuas mãos...

. Mãe...

. Beija-me...

. É teu...

. Asas de sentimento...

. Desisto...

. Beijo-te suavemente...

.arquivos

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.Meu contador de visitas...